Danças típicas da tríplice fronteira: saiba quais são elas

Consultar

A região da tríplice fronteira possui uma cultura muito forte devido a diversidade de povos que abrange, já que são Brasil, Paraguai e Argentina juntos. Muitos conhecem a culinária, hábitos, religião, mas o que poucos sabem á respeito é sobre as danças típicas da tríplice fronteira.

Mas nós da Combo Iguassu separamos tudo sobre essas danças para você conhecer melhor. Então confere aqui!

Brasil

Começando pelo nosso amado país, que em cada canto tem uma dança típica diferente, de Norte a Sul são milhares de estilos, tem danças para os gostos.

Foz do Iguaçu, é um caso atípico, por ser uma região de fronteira, agrega povos de todo o país. Algumas culturas são fortes na tríplice fronteira por isso algumas danças predominam mais, veja algumas delas.

Danças Gaúchas

São uma das danças mais antigas entre as danças populares brasileiras. A mais típica representação do Rio Grande do Sul é o “fandango” que, posteriormente, se entremeou ao sapateado, originado nas antigas danças de par solto da romântica Espanha.

Dança gáucha/ Foto de Pixabay

Estes bailados espanhóis constituíram o primeiro ciclo/geração coreográfica de formação das danças populares brasileiras. Na região da tríplice fronteira, os famosos Centros de Tradição Gaúcha (CTG) levam a cultura á frente e principalmente a dança que é uma das mais lindas manifestações culturais.

As danças gauchas também estão bem presentes em bailes, onde se reúnem bastante pessoas, principalmente casais para fazer o famoso “arrasta pé”.

Quadrilha

É um estilo de dança folclórica coletiva muito popular em todo o país. Em Foz do Iguaçu é mais forte entre maio e agosto, quando acontecem as festas juninas, com decoração e comidas típicas da região norte do país.

A Quadrilha é marcada pela forte encenação cômica em sua coreografia e pelas músicas com letras engraçadas, fazendo com que todos entrem na dança e caiam na gargalhada.

Músicas Populares Brasileiras

Pode se dizer que Foz do Iguaçu não tem somente um gosto, porque entre as danças típicas da tríplice fronteira também se encaixam as danças que envolvem as atuais músicas populares do Brasil, como brega, forró, sertanejo e também o funk.

Portanto, é muito provável que quem passe por Foz do Iguaçu, conheça algum desses estilos em algum canto da cidade.

Argentina

Tango

O tango é o estilo musical mais famoso da Argentina e atinge uma expressão única na dança a dois: os corpos aproximam-se numa intimidade maior do que qualquer outro tipo de dança, enquanto as pernas se movem com uma velocidade e destreza incomparáveis.

A identidade do tango está na combinação de sensualidade, relaxamento e intimidade da parte superior do corpo que contrasta com a dança quase marcial executada pelas pernas, que simboliza o abandono e a resistência do estado de paixão amorosa.

Tango/ Argentina/ Tríplice fronteira
Tango argentino/ Foto de Marko Zirdum no Pexels

E nada como curtir uma noite na Argentina, degustando um bom vinho e assistindo uma bela apresentação de tango, ou até mesmo para quem souber os passos e quiser se arriscando, pode dançar também.

Chacarera

É uma dança e música popular originária do noroeste da Argentina. A música toca-se geralmente com violão, violino, acordeão e bombo leguero. A chacarera já era dançada nas fazendas de Santiago del Estero no início do século XVIII durante a conquista da Coroa Espanhola, na época colonial.

A chacarera pertence ao grupo de danças picarescas, de ritmo ágil e caráter muito alegre e festivo. No caso da chacarera boliviana a vestimenta da mulher apresenta flores estampadas e são de cores cálidas, babados, avental e sapatos de salto baixo.

Em nenhum caso existem fitas de cor no cabelo, e o penteado é uma trança. O homem usa botas, bombachas, rastras, camisa, lenço, chapéu e, nas épocas de frio, poncho.

Paraguai

Polca Paraguaia

Ou também conhecida como Danza Paraguaya, são vários gêneros que representam bastantes aspectos da identidade cultural não apenas do próprio Paraguai, mas também das regiões norte da Argentina e centro sul do estado de Mato Grosso do Sul, no Brasil.

Tudo dentro de um compasso binário simples, de movimento em allegretto, cujo ritmo à base de colcheias e semicolcheias, com breves pausas regulares no fim do compasso, permitia aos pares as novas possibilidades de aproximação dos corpos que viria a chamar popularmente de dançar agarrado.

Dança do cântaro

É uma dança na qual mulheres dançam carregando uma jarra de água nas mãos ou mesmo na cabeça. Uma típica peça do vestuário paraguaio tradicional é uma manta que é utilizada cobrindo um dos lados do corpo.

As danças típicas da tríplice fronteira em um lugar só

Fazendo referência ao encontro de três países latino-americanos sendo eles, Brasil, Argentina e Paraguai, o Marco das Três Fronteiras é um local onde é possível ver os três países de um lugar só.

Cultura/ Marco das Três fronteiras/ índios
Apresentação no Marco das Três Fronteiras/ Foto de Nilton Rolin

A noite após o pôr do sol, o Marco é brindando com apresentações artísticas como o Show das Três Fronteiras que homenageia Brasil, Paraguai e Argentina, seguido pelo show da Lenda das Cataratas! Apresentações de danças de época como Minueto e o show de águas dançantes com luzes e projeções também cativam os olhos do visitantes no local!

Além disso, o local também possui uma gastronomia típica regional, no Restaurante Cabeza de Vaca (nome em homenagem ao desbravador espanhol Ávar Ñunes Cabeza de Vaca) que tem um cardápio completo com várias opções de bebidas.

Conclusão

E ai, gostou das danças e gostaria de conhecer um pouco mais delas ou da cultura de tríplice fronteira? Venha para Foz do Iguaçu, viaje com a com a Combo Iguassu, ela possui pacotes imperdiveís.

Com dúvidas sobre onde se hospedar? Conheça o Tarobá Hotel e o Pop Hotel.

Converse com nós, tire duvidas sobre passeios, pacotes, transportes ou para qualquer outro tipo de dúvida estamos á disposição.

A blogueira Hebe Carvalho já viajou com a Combo, veja o que ela disse em suas redes sociais.

Crédito de foto de capa: Marcos Labanca

Texto escrito por Henrique Cemin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *