Passeio em Foz imperdível! Conheça o Centro de Falcoaria

Sua aventura começa aqui!
Descubra os mais interessantes passeios de Foz do Iguaçu e região, dicas de viagem e muito mais!​

Search
centro-de-falcoaria

Passeio em Foz imperdível! Conheça o Centro de Falcoaria

O que não falta é passeio em Foz incrível para a sua viagem. Mas já imaginou conhecer um Centro de Falcoaria?

Vamos te contar tudo nesse post.

Você se sentirá, durante o tempo do passeio, em um clássico dia da prática do esporte na Idade Média, tendo a oportunidade de ver de pertinho tudo como funciona a prática e a beleza das aves.

Fique com a gente nesse post que vamos te contar tudo o que você precisa saber sobre o Centro de Falcoaria e tornar esse mais um passeio sensacional durante a sua estadia.

Conheça o Centro de Falcoaria

Viajar para Foz do Iguaçu te trará muitas oportunidades de ter experiências incríveis, que dificilmente podem ser vividas em outros lugares do país.

Um deles, com certeza, é conhecer mais da arte da falcoaria de pertinho, através de profissionais especializados e com aves de verdade.

É um momento incrível que ficará para sempre marcado em sua lembrança.

Localizado bem próximo do famoso Templo Budista de Foz, fica o Centro de Falcoaria.

Com acesso super fácil, será tranquilo para incluir essa programação no seu planejamento de viagem.

Treino de voo das aves do Centro de Falcoaria
Treino de voo das aves do Centro de Falcoaria | Imagem cedida pelo atrativo

A história do Centro de Falcoaria em Foz

Em sua história, a falcoaria foi desenvolvida como a arte de criar, cuidar e treinar aves de rapina, como o falcão e gavião, com o fim de realizar caçadas.

Durante a maior parte da história foi um esporte extremamente aristocrático, já que realizar todo o processo até a caçada custa muito caro, sendo um investimento impossível para a maioria da população.

As caçadas só eram completas se todos os animais da Tríade da Falcoaria estivesse presente: ave de rapina, cavalo e cão de caça.

Leandro Mautone, o fundador do Centro de Falcoaria, começou a estudar a arte quando foi morar na Itália, em 2007. 

Mas, sua paixão vem de longa data – o amor por essa tradição surgiu em 1985, ao assistir o filme O Feitiço de Áquila.

Grande parte de seu desenvolvimento foi ao lado do famoso príncipe italiano Guglielmo di Ventimiglia, conhecido como El Mestre.

Também trabalhou no Bioparque, no Rio de Janeiro, cuidando das aves, principalmente na parte de reabilitação e treinamento.

Após tantos anos de aprendizado, treinamento e conhecimento, fundou o Centro de Falcoaria em Foz do Iguaçu, trazendo todo o brilho dessa incrível arte.

Por que começou essa arte?

Na ausência de armas mais sofisticadas, a Falcoaria caiu perfeitamente para caça de outras aves.

Antigamente, essa prática era considerada algo nobre e refinado, sendo necessário muito desempenho e habilidade do falcoeiro para conduzir as aves de rapina.

Um dos primeiros precursores dessa arte, foi Frederico II (Imperador Romano-Germânico e Rei da Itália em 1220), onde já foi retratado em seu livro De arte venandi cum avidus (Sobre a arte de caçar com aves).

Já nos tempos antigos, as aves de rapina, já eram adoradas como deuses, reis, como foram tratados em registros e livros como a “arte de caçar com aves”.

‌Apenas em 1500 houve um declínio na falcoaria, por conta do uso das armas de fogo para caça, isso acabou reduzindo a pratica drasticamente.

‌‌Um dos maiores nomes na falcoaria foi Felix Rodríguez de Lá Fuente, considerado o Pai da Falcoaria, é um dos mais influentes precursores dessa arte.

Falcoaria nos tempos de hoje

‌Hoje em dia, a Falcoaria se tornou uma profissão, uma arte bela e impressionante, feita para gerar consciência de sua história e importância para as aves de rapina.

Em todos esses anos, o manejo e treinamento da Falcoaria não mudaram quase nada. Apenas foram integrados na atualidade, o uso do rádio transmissor (feito para localizar a ave) e a balança para pesagem e monitoramento da alimentação da ave.

Já na Mongólia, é um dos poucos lugares que ainda pratica a Falcoaria como antigamente, ou seja, com intuito de caça.

Outra curiosidade é que atualmente é comum as aves de rapina, como os falcões, serem usadas nos aeroportos como medida de segurança para decolagem e pouso das aeronaves.

Como é o passeio no Centro de Falcoaria

Esse é um passeio ideal para quem ama animais, principalmente grandes aves, e gostaria de conhecer um pouco mais de perto as habilidades envolvidas nessa arte.

Durante esse passeio em Foz, você passará por uma verdadeira imersão na história da falcoaria, através das explicações e ações dos profissionais altamente treinados do local.

Com os guias do local, será possível entender como funciona a falcoaria clássica e a contemporânea, entendendo, inclusive, a diferença entre as duas.

Os equipamentos utilizados durante a prática são mostrados aos visitantes, para que conheçam o funcionamento de cada um deles.

Dentre os itens, temos capuz, os atrelamentos da ave e a luva.

Logo após, é realizada uma apresentação em que o falcoeiro, à cavalo, interage com os aves e cães de caça, mostrando como funciona na prática.

Para ficar ainda mais emocionante, um simulador de presa viva faz parte do espetáculo. 

Com isso, é possível ver um falcão em ação, perseguindo (e pegando, muitas vezes) a sua presa.

É sensacional ver, ao vivo, uma ave de caça realizando seus voos, estabelecendo as estratégias para pegar a presa e admirar os instintos.

Centro de Falcoaria em Foz do Iguaçu
Centro de Falcoaria em Foz do Iguaçu | Imagem cedida pelo atrativo

Curiosidades sobre o Centro de Falcoaria

Muitas curiosidades cercam este incrível passeio em Foz. Vamos te contar algumas das mais interessantes, para você já se preparar para a sua chegada.

O local é focado em falcões, principalmente nas espécies sacre e falcões-peregrinos – são eles os grandes “garotos propagandas” do centro. 

Outra espécie dessas aves que também fazem do centro a sua moradia são os falcões saker.

Mas se você espera só conhecer falcões durante o passeio, está enganado! O local abriga também ovelhas, urubus, cães, cavalos, corujas e gaviões.

As aves que moram no Centro de Falcoaria vieram de diferentes lugares, mas todos de criadores legais e certificados pelos órgãos competentes.

Inclusive, vários recém chegados são frutos de resgates.

Muitas das aves que estão no Centro de Falcoaria vieram de resgates: eram maltratadas, vítimas de tráfico ilegal ou criadas ilegalmente. 

A falcoaria ajuda na reabilitação em hábitat muito parecido com o original delas, já que as mesmas não podem mais viver na natureza selvagem.

Por ser um importante centro de preservação ambiental, durante o seu passeio você vai conhecer mais sobre como elas se alimentam e vivem em sociedade.

Apesar de, durante as atrações, o público ficar um pouco mais distante dos animais, por uma questão de segurança, em nada se perde do brilho e impacto das apresentações.

Mais informações sobre o passeio ao Centro de Falcoaria

  • Endereço: O Centro de Falcoaria fica localizado na Rua Cruz Alta, 111 (Remando Grande) – ao lado do Dreams Park Show;
  • Funcionamento: Todos os dias; às 10h30 e 16h | Aratiê e os cavalos às 09h30 e às 15h;
  • Cada tour guiado tem a duração de aproximadamente 1h30, com apresentação sobre a falcoaria e condicionamento de voo;
  • Os preço do ingresso é R$ 94,00, com descontos para moradores de Foz, crianças e idosos; portadores de necessidades físicas e doadores de sangue. Saiba mais aqui!

>> Já sabe como fazer uma programação em família? Veja só!

Dicas de como realizar esse passeio

Para visitar esse ponto turístico em Foz do Iguaçu, você deve se atentar a algumas coisas importantes para ter a melhor experiência possível.

Anote essas dicas: 

  1. Roupas confortáveis para caminhada;
  2. Tênis ou calçado confortável (Para terrenos com grama e terra);
  3. Repelente;
  4. Protetor solar para os dias quentes ou ensolarados;
  5. Opcional: Óculos de sol, boné, roupas mais frescas, garrafinha de água e etc.
  6. Prepare seu transporte antecipadamente, vá com seu carro, transporte de app ou uma agência de turismo.
Centro de Falcoaria em Foz do Iguaçu
Visitação no Centro de Falcoaria em Foz | Imagem cedida pelo atrativo

Curiosidades sobre as Aves do Centro de Falcoaria

Ficou empolgado para conhecer esse lugar?

Vai ficar mais ainda ao saber mais dos animais que você pode ver por lá!

‌No centro de falcoaria Foz, você pode ver cisnes, corujas, perus, galinha da Angola, falcão e gavião.

Corujas

‌No passeio aprendemos muito sobre as corujas, bonitas e misteriosas, elas têm o maior destaque na sua morfologia, por conta de suas características únicas no grupo de aves de rapina.

No Centro de Falcoaria, encontramos o Luke, uma coruja suindara ou coruja branca, aquelas de igreja e muito comuns em filmes de animação.

O Luke, viveu com os pais e, portanto, possui comportamentos normais para sua espécie. Ele e a Dora (outra coruja), têm uma rotina de alimentação, repouso, banhos de sol e voos diários.

Dora, é uma coruja-orelhuda, ela veio de apreensão onde foi resgatada de uma venda ilegal, o plano inicial para Dora era sua reabilitação para natureza.

Porém, ela não desenvolveu a capacidade de se reintegrar, Dora não conseguiu aprender a viver na floresta, como as demais corujas-orelhudas silvestres.

Um dos motivos disso foi o fato dela ser retirada da natureza e não ter aprendido seus hábitos selvagens com seus pais.

Coruja
Coruja do Centro de Falcoaria | Imagem cedida pelo atrativo

>>Gosta de animais? Leia nosso Guia da Tríplice Fronteira: Animais de Foz do Iguaçu e se encante!

Possuem uma audição invejável!

O interessante, é que as corujas seguem suas presas pelo som que elas ouvem, diferente dos falcões, gaviões e águias que usam essencialmente a visão.

Apesar de participar dos voos do passeio, tradicionalmente, as corujas não são usadas na arte da falcoaria, aquela antiga usada para caçar outros animais.

Águias

Na segunda parte da experiência, você poderá ver duas fascinantes águias-chilenas: Sugutai e Saori.

O que você essencialmente precisa saber sobre essas aves?

Bom, Saori é uma fêmea de águia-serrana ou águia-chilena, podendo pesar até 3 mil gramas, chegando em 62-69 cm e uma envergadura de até 2 metros.

Seu tamanho é o que mais chama atenção, além da bela plumagem branca e cinza.

As fêmeas dessa espécie costumam ser mais agressivas e maiores que os machos, por conta da sua natureza, pois elas têm a missão de defender o território de seu ninho com seus filhotes.

Na natureza, é o macho que caça para a família, por conta do seu tamanho menor, eles conseguem atingir maiores velocidades e abater as presas que servirão como refeição para seus filhotes.

Águia-chilena
Águia-chilena | Imagem cedida pelo atrativo

O grande potencial de abater presas

As águias possuem uma cauda curta e asas largas que fazem seu potencial de voo ser notável, suas garras poderosas conseguem abater mamíferos de médio e até grande porte.

Suas presas favoritas são animais que caminham pelo solo, como roedores.

Isso os classifica como aves de voo baixo, mas não tem nada haver com a altura máxima que elas atingem, logo, a denominação se refere essencialmente com esse aspecto de caça. 

Gaviões

No Centro de Falcoaria, nós conhecemos a Ambar e a Rubi, duas belíssimas aves da espécie gavião-asa-de-telha ou gavião-de-asa-castanha, por obviamente, sua coloração castanha avermelhada.

Os gaviões possuem cauda longa, asas largas e procuram mamíferos e répteis para comer, eles usam essencialmente os pés para abater as caças.

Sua dieta pode incluir insetos e sua convivência é em grupos, diferente dos outros grupos de aves de rapina que preferem ser solitárias.

Um pássaro simpático com uma dura história…

, um gavião carijó macho, também vive no Centro de Falcoaria, seu jeitinho simpático e seu tamanho menor o deixam extremamente simpático.

O mais impressionante sobre o Jó, é sua difícil história até chegar ao Centro, ele veio de uma apreensão da IAP.

Infelizmente, ele foi colocado em um recipiente, provavelmente uma gaiola, que apertou seu corpo ferindo suas asas e penas da cauda, prejudicando totalmente sua capacidade de voar.

Ele não pode ser reintegrado à natureza, diferente do outro gavião-fêmea que chegou com ele.

‌Mas está sempre treinando para alçar voo, coisa que ele ainda não consegue realizar por conta de seus ferimentos antigos.

Jó continua nos cuidados do Centro de Falcoaria e acreditamos que um dia ele vai conseguir voltar a voar.

Apresentação de voo no Centro de Falcoaria de Foz
Apresentação de voo no Centro de Falcoaria de Foz | Imagem cedida pelo atrativo

‌Falcões

Lá no Centro de Falcoaria, vimos as incríveis manobras do Sirius, um falcão-peregrino, ágil e formoso, que mostrou todo potencial de sua espécie em campo, alçando altos metros de altura e dando rasantes de tirar o fôlego.  

‌Os falcões possuem um condicionamento de voo diferentes de outros pássaros, eles já conseguem abater com o bico, com seu rebordo em forma de dente na mandíbula, habilidade que não vemos em outras aves de rapina.

Outro diferencial, é que eles são aves com hábitos diurnos fortes, logo você conseguirá ver algum falcão por aí, em plena luz do dia em seus afazeres cotidianos.

Os falcões conseguem comer em pleno voo e vão muito no oportunismo de conseguir um banquete.

Seu cardápio não necessariamente precisa ser o mais saboroso, em extrema necessidade um falcão pode comer até carniça.

Eles vivem em casal, enquanto sabemos que a maioria das aves de rapina preferem ser solitárias, vivendo sua vidinha de troca de penas e caçadas sozinhos.

Seu corpo é caracteristicamente esguio, suas penas são juntas, coladas assim por dizer, feitas para atingir grandes velocidades.

Urubus

O Centro de Falcoaria, também acolheu urubus-de-cabeça-preta que foram resgatados pela IAP e levados até o Centro para cuidados de seus profissionais.

Chegaram ao centro vulneráveis, com poucas penas e sem saber voar, necessitando de monitoramento para se manterem saudáveis até se tornarem adultos.

Urubus são aves de rapina ou não?

Várias vezes, ouvimos uma discussão científica velha entre as pessoas: afinal de contas, eles são ou não aves de rapina?

O que entendemos até agora, é que os urubus apresentam muitas características genéticas e ecológicas semelhantes às demais aves de rapina.

Algumas delas podem ser sua ótima visão, audição e capacidade de voo que os colocariam fácil nos grupos das aves de rapina.

Abutres – Por que eles comem carniça?

O diferencial do urubu das demais aves de rapina, é que eles não possuem garras feitas para caçar presas como as das típicas aves de rapina, isso torna essa atividade menos comum, sendo mais difícil para sua espécie.

Além de que seu bico não ser tão forte, gerando problemas em rasgar carnes e peles.

Graças ao seu sistema digestivo forte, os urubus conseguem se alimentar do que já está morto, ou seja, as carniças já abertas e esburacadas são um prato muito mais atrativo e proveitoso para os urubus.

>> Gostou de saber dessas curiosidades? Então você pode se interessar por: 

Rotina das aves no Centro de Falcoaria

Agora que você já aprendeu um pouquinho mais sobre as aves no Centro de Falcoaria, vamos continuar contando como é a rotina nesse incrível ponto turístico de Foz do Iguaçu.

Então, vamos adiante!

Aérea de Jardinagem

Na Área de Jardinagem é onde as aves saem das salas da falcoaria e ficam em seus poleiros para relaxar, tomar um banho, sentir um solzinho nas penas e descansar, antes de se exercitarem nos voos.

Como as aves de rapina prezam muito conservar a sua energia, esse é um momento importante para elas aproveitarem e armazenarem seu estoque, já que na natureza elas fariam isso para terem bons desempenhos de caça.

‌Por lá, as aves organizam suas penas, se limpando adequadamente, pois é um fator vital para o seu voo.

Enquanto restos de carnes nas unhas e no bico são retirados no banho, quando as aves entram em suas próprias bacias de água para se retocar.

Após fazerem seu voo, as aves voltam para a área de jardinagem e continuam suas funções diárias.

Pesagem

Outros momentos de manutenção no Centro de Falcoaria, são os de pesagem.

Para realizar esse procedimento, é usado um capuz de couro (Caparão) na função de cobrir seus olhos, esse capuz também é usado em casos de exames periódicos com veterinários.

Mas por que cobrir os olhos?

Pois em aves de rapina, a visão é o principal sentido ativo, ao cobrir seus olhos, impede a ave de se assustar com algo ou ficar estressada de algum modo.

Durante o percurso de trazê-la até a balança, é obstruída sua visão, assim nada abala o animal e ele se mantém centrado para outras atividades no dia.

Na pesagem, é subtraída as peças, como o capuz de couro, para somar o peso real da ave.

Essas pesagens são anotadas e monitoradas pelos profissionais do Centro regularmente.

O objetivo é manter uma boa qualidade de vida para as aves, que não apresentam mudanças preocupantes em sua massa corporal.

Além de ajudar na administração de sua alimentação.

Voos e equipamentos de falcoaria

Para manusear as aves durante seus voos, os falcoeiros usam diversos equipamentos e destacamos alguns que você ouvirá falar durante o passeio no Centro de Falcoaria.

Observe!

  • Luvas de Couro:

Essenciais para proteção do falcoeiro, as luvas são de tamanhos diferentes conforme o tipo de ave.

Elas também são as principais peças de manuseamento das aves, por conta das poderosas garras das aves de rapina, é a proteção vital do falcoeiro.

  • Aljaveira:

Uma pequena bolsa onde se guardam o alimento que se dá a ave, após as conclusões das manobras, gerando assim, uma recompensa que motivará o treino e adaptação das aves em obedecer ao falcoeiro.

Existe também o bornal, uma bolsa de couro maior, feita para transportar alimentos e utensílios úteis durante a prática da falcoaria.

  • Cascavéis:

Sabe aqueles sinos nas pernas das aves?

Eles na verdade são chamados de cascavéis e servem para localizar as aves quando estas vão em longas distâncias, sendo amarradas nos tarsos/sancos dos pássaros.

Os equipamentos sempre precisam de manutenção para se manter da melhor forma possível. 

  • Lure ou isca:

Equipamentos de couro, penas ou pelo, onde é usado no treinamento de falcões.

Durante o voo o lure é balançado no ar, em movimentos circulares que atraem a ave, fazendo manobras rasantes para agarrar sua isca (carne).

Serve como treinamento e exercício para a ave, além de ser um espetáculo para os visitantes que observam esses movimentos.

Hora de dormir

Na hora de dormir, as aves são levadas de volta à sala da falcoaria para se resguardar e tirar seu descanso durante a noite.

Juntas, as aves de rapina dormem nas pescas no Centro de Falcoaria, se preparando para o próximo dia.

Conheça o Centro de Falcoaria com a Combo Iguassu

A Combo Iguassu tem um passeio imperdível para que você conheça o Centro de Falcoaria.

Você não pode deixar de incluir  este local em seu planejamento de viagem. Confira todos os detalhes clicando aqui.

Já sabe quais são os diferenciais de comprar seus passeios com a Combo Iguassu? 

Confira:

  • Atendimento nota 10;
  • Melhores preços;
  • Guias credenciados;
  • Parcelamento em até 10x.

Conte conosco em todo o seu planejamento, e boa viagem!

Redação: Deyse Tatiane dos Santos | Revisão: Joelma Oliveira | *Atualizado: 15/02/2023

Siga nossas redes sociais!

Passeios e hotéis exclusivos com DESCONTOS E SORTEIOS!

Junte-se a viajantes que economizaram com a Combo Iguassu e vieram para Foz pagando menos.
Agora é sua vez de aproveitar!

Você ganhou 5% DE DESCONTO!

Efetuando o pagamento pelo PIX você ganha 5% de desconto, basta tirar um print e apresentar na hora de comprar seus passeios.

Converse com a gente