É impossível programar um roteiro para Foz do Iguaçu sem incluir um dia ou dois de compras no Paraguai, não é mesmo?

Além da variedade de produtos disponíveis e da quantidade de marcas internacionais, um dos principais atrativos para os turistas é o preço reduzido!

Afinal, quem não quer pagar mais barato pelos mesmos produtos que encontraria aqui no Brasil?

Entretanto, uma dúvida que costuma confundir quem está querendo fazer compras no Paraguai é: qual moeda utilizar na hora do pagamento?

Por isso, hoje, a Combo Iguassu vai explicar tudo referente às formas de pagamento dentro de Ciudad del Este, incluindo as moedas aceitas e a viabilidade – ou não – do uso de cartões de crédito.

Dá um conferida no conteúdo que preparamos!

Quais moedas utilizadas nas compras no Paraguai?

Moeda paraguaia - Guarani
Moeda paraguaia – Guarani | Imagem ilustrativa – Envato elements

Antes de iniciar o roteiro de compras no Paraguai, é importante ficar atento a algumas informações referentes às moedas locais e às modalidades de pagamento aceitas na hora das compras.

Atualmente, Ciudad del Este aceita dólares, reais e guaranis como formas de pagamento.

Por conta de seu peso econômico e turístico, quase todos os preços são, inicialmente definidos em dólar e, posteriormente, convertidos para guaranis.

Já o real também é amplamente aceito nos estabelecimentos devido à alta quantidade de turistas brasileiros que visitam o país diariamente.

Dependendo da taxa de câmbio, em algumas situações se torna mais vantajoso comprar em real e, em outras, na moeda norte-americana.

O guarani, entretanto, é a moeda oficial do país, circulando, basicamente, entre os próprios moradores locais.

Com uma taxa de câmbio bastante diferente do real e do dólar, as compras em guaranis devem ser limitadas a turistas ambientados com a cidade.

Ou, então, a transações pequenas, em camelôs, restaurantes e outros estabelecimentos locais.

Real x Dólar x Guarani

Escolher qual a melhor moeda para utilizar durante as compras no Paraguai vai depender das cotações do dia e das condições das taxas de câmbio.

De maneira geral, o dólar tende a ter condições melhores para os turistas, com o real ficando em segundo lugar.

Entretanto, dependendo do local onde será realizada a troca da moeda, o dinheiro brasileiro pode se tornar tão vantajoso quanto o estrangeiro. 

Contudo, é recomendado que os câmbios sejam realizados em agências paraguaias, já que elas evitam a emissão de notas de US$ 100 das séries CB e D, não aceitas no Paraguai.

Pagamentos em guarani só são recomendados em compras pequenas ou “de rua”, já que a taxa de conversão em relação ao dólar e ao real acabam não compensando.

Vale a pena pagar com cartão de crédito?

Não!

Por mais tentador que pareça, pagar as compras no Paraguai com cartão de crédito raramente é vantajoso.

Isso acontece por conta das altas taxas cobradas pelo Governo Federal e pelas próprias empresas no Paraguai.

A cada compra, é exigido um valor adicional entre 5% e 8% sobre o preço total dos produtos pelas lojas que oferecem essa condição de pagamento.

Já a taxa cobrada pelo Governo Federal, o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), gira em torno de 6,38% em cima do valor dos produtos. 

Além disso, para que seja possível realizar as compras com cartão de crédito, é necessário que sua bandeira seja internacional, o que não é sempre uma possibilidade.

Compras com cartão de crédito no Paraguai - Compras Paraguai
Compras com cartão de crédito no Paraguai | Imagem ilustrativa – Envato elements

Como identificar uma loja segura para compras no Paraguai?

Ao iniciar um roteiro de compras no Paraguai, é importante ter em mente que Ciudad del Este pode ser um pouco arriscado para os turistas inexperientes.

Por isso, é fundamental saber identificar quais lojas e departamentos são realmente seguros na hora de levar os produtos para casa.

Uma dica importante é sempre realizar uma pesquisa anterior à data de viagem, lendo reviews e comentários online sobre as melhores lojas da cidade.

Outra dica, também, é não cair na conversa dos guias de rua de Ciudad del Este e, se sentir necessidade, contratar um guia de compras de alguma empresa turística de Foz do Iguaçu

Cota para compras no Paraguai em 2022

A cota de compras no Paraguai é responsável por determinar o valor máximo, em produtos, que um turista pode levar do país sem a necessidade da declaração de impostos.

Ela é definida pelo Governo Federal e possui validade individual e mensal.

Atualmente, a cota de compras no país vizinho é de US$ 1000 por pessoa, por mês, para aqueles que vão sair do país por meios aéreos ou marítimos.

Já para os viajantes que possuem intenções de atravessar a fronteira por meios terrestres, seja de carro, seja de ônibus, de transfer ou a pé, o limite estabelecido pelo Governo Federal é de US$ 500 por pessoa, por mês.

Vale lembrar que esse valor é individual, não transferível e não cumulativo.

Caso o valor dos produtos ultrapasse os US$ 500 por meio terrestre ou US$ 1000 por meios aéreos ou marítimos, é necessário realizar o pagamento dos impostos.

Ponte da Amizade com vista para Ciudad del Este - Paraguai
Ponte da Amizade com vista para Ciudad del Este – Paraguai | Imagem de Avant Produções

>> Leia também: City Tour Paraguai: explore outros ângulos

A Combo Iguassu te leva para um roteiro de compras no Paraguai!

Se você está vindo passear em Foz do Iguaçu e quer realizar um roteiro de compras no Paraguai de maneira segura e confortável, a Combo Iguassu tem a solução ideal para você!

Com 12 anos de experiência no mercado turístico da Tríplice Fronteira, a Combo Iguassu é referência em receptivos da região, oferecendo pacotes de viagem, roteiros, transportes e experiências culturais.

Dispondo de veículos executivos de 4 a 6 lugares e de vans de até 15 lugares, a Combo te leva para qualquer atrativo do Brasil, Paraguai ou Argentina.

Se você quer transformar seu roteiro de compras em uma experiência tranquila e confortável, entre em contato com um de nossos consultores e faça sua reserva!

Venha hoje mesmo viver uma experiência cultural que só a Combo Iguassu pode oferecer!

Redação: Ana Barakat | Revisão: Joelma Oliveira

*Atualização: 13/07/2022