BUSCAR
MAIS POPULARES
DICAS DE COMPRAS: O que vale a pena comprar no Paraguai?

Quais os produtos que mais valem a pena serem comprados no Paraguai e quais os que não valem?

Documentos para entrar na Argentina: saiba o que é aceito para entrar no país!

Pensando em viajar para a cidade argentina? Confira quais são os documentos para entrar na argentina e realizar sua viajem sem problemas!

Compras no Paraguai – Cartão, dólar ou real? Saiba qual moeda usar ao realizar suas compras.

Se vai viajar para Foz do Iguaçu e pretende fazer compras no Paraguai, você não pode deixar de conferir essas dicas

Já conhecem a nossa Itaipu? Não?

07/07/15 14:31
Johnny

Já conhecem a nossa Itaipu? Não?

Aqui trago um resumo de toda sua história, enjoy!


Texto: Itaipu.gov.br

ITAIPU. A PEDRA QUE CANTA

Em 1973, técnicos percorrem o rio de barco em busca do ponto mais indicado para a construção da Itaipu Binacional. O local é escolhido após a realização de estudos com o apoio de uma balsa. No coração da América do Sul, brasileiros e paraguaios indicam um trecho do rio conhecido como Itaipu, que, em tupi, quer dizer "a pedra que canta".

Naquele local, encontrava-se uma ilha, quase sempre submersa, chamada Itaipu, logo após uma curva acentuada de rio, onde a correnteza parecia medir forças com os barrancos e a poucos quilômetros da confluência com o Rio Iguaçu. Estudos indicavam para aquele ponto um rendimento energético excepcional, em virtude de um longo cânion escavado pelo Rio Paraná

O PRIMEIRO PASSO DE UMA EPOPÉIA

A construção da Itaipu Binacional – considerado um trabalho de Hércules pela revista “Popular Mechanics”, dos Estados Unidos – começou em 1974, com a chegada das primeiras máquinas ao futuro canteiro de obras.

No segundo semestre de 1974, foi estruturado o acampamento pioneiro, com as primeiras edificações para escritórios, almoxarifado, refeitório, alojamento e posto de combustíveis, que existe até hoje.

UMA CIDADE CHAMADA ITAIPÚ

A região começa a transformar-se num “formigueiro” humano. Entre 1975 e 1978, mais de 9 mil moradias foram construídas nas duas margens para abrigar os homens que atuam na obra. Até um hospital é construído para atender os trabalhadores. À época, Foz do Iguaçu era uma cidade com apenas duas ruas asfaltadas e cerca de 20 mil habitantes, em dez anos, a população passa para 101.447 habitantes.

Nos canteiros de obra, a primeira tarefa é alterar o curso do Rio Paraná, removendo 55 milhões de metros cúbicos de terra e rocha para escavar um desvio de 2 km. O engenheiro Gomurka Sarkaria é o responsável pelo modelo da barragem, do tipo gravidade aliviada, formando aberturas que lembram a estrutura de uma catedral.

O “PARANAZÃO” DESPEDE-SE DO LEITO

A Itaipu Binacional passa a ser uma realidade irreversível. A escavação do desvio do Rio Paraná termina dentro do prazo. Em 20 de outubro de 1978, 58 toneladas de dinamite explodem as duas ensecadeiras que protegiam a construção do novo curso.

O desvio tem 2 km de extensão, 150 metros de largura e 90 de profundidade. No mesmo dia, é assinado um contrato de US$ 800 milhões que garante a compra de turbinas e dos turbo-geradores. O novo canal permite que o trecho do leito original do rio seja secado, para ali ser construída a barragem principal, em concreto.

A Itaipu Binacional foi a única grande obra nacional a atravessar a fase mais aguda da crise econômica brasileira do final dos anos 1970 mantendo o status de prioridade absoluta.

UM PRÉDIO DE 10 ANDARES POR HORA, RITMO DA ITAIPÚ

Começa uma nova e fervilhante etapa da construção de Itaipu Binacional: a concretagem da barragem. Num único dia, 14 de novembro de 1978, são lançados na obra 7.207 metros cúbicos de concreto, um recorde sul-americano, o equivalente a um prédio de dez andares a cada hora. Ou 24 edifícios no mesmo dia. A façanha só foi alcançada devido ao uso de sete cabos aéreos para o lançamento de concreto.

O total de concreto despejado na barragem, 12,3 milhões de metros cúbicos, seria suficiente para concretar quatro rodovias do porte da Transamazônica. A economia do Paraguai voa em céu de brigadeiro: o PIB, que havia aumentado 5% em 1975, cresce 10,8% em 1978.

TODOS OS CAMINHOS LEVAM A ITAIPU

A obra ganha contornos de uma operação bélica. Em 1980, o transporte de materiais para a Itaipu Binacional mobilizou 20.113 caminhões e 6.648 vagões ferroviários. Já a demanda por mão-de-obra provoca filas imensas nos centros de triagem dos consórcios.

Entre 1978 e 1981, até 5 mil pessoas eram contratadas por mês. Ao longo da obra, em função do extenso período de construção e da rotatividade da mão-de-obra, somente o consórcio Unicon cadastrou cerca de 100 mil trabalhadores. No pico da construção da barragem, Itaipu mobilizou diretamente cerca de 40 mil trabalhadores no canteiro de obras e nos escritórios de apoio no Brasil e no Paraguai.

NEM AS ESTRADAS ESPERAVAM UMA OBRA DESSA GRANDEZA

Com a concretagem quase pronta, a fase seguinte é a montagem das unidades geradoras. O transporte de peças inteiras dos fabricantes até a usina torna-se um desafio. A primeira roda da turbina, com 300 toneladas, saiu de São Paulo em 4 de dezembro de 1981 e chegou ao canteiro de obras somente em 3 de março de 1982.

Como a rede viária e algumas pontes existentes em diversas alternativas de trajeto não tinham condições de suportar o peso, a carreta que levava a peça teve de percorrer o caminho mais longo, com 1.350 km. O transporte das rodas de turbina ganharia agilidade posteriormente. O recorde foi de 26 dias de viagem entre a fábrica e a usina.

O RIO PARANÁ ENCONTRA UM PAREDÃO DE CONCRETO, ITAIPU

As obras da barragem chegam ao fim em outubro de 1982. Mas os trabalhos na Itaipu não param. O fechamento das comportas do canal de desvio, para a formação do reservatório da usina, dá início à operação Mymba Kuera (que em tupi-guarani quer dizer “pega-bicho”). A operação salva a vida de 36.450 animais que viviam na área a ser inundada pelo lago. Devido às chuvas fortes e enchentes da época, as correntezas do Rio Paraná levaram 14 dias para encher o reservatório. A lâmina de água soma 135 mil hectares, ou quatro vezes o tamanho da Baía da Guanabara.

A 5 de novembro de 1982, com o reservatório já formado, os presidentes do Brasil, João Figueiredo, e do Paraguai, Alfredo Stroessner, acionam o mecanismo que levanta automaticamente as 14 comportas do vertedouro, liberam a água represada do Rio Paraná e, assim, inauguram oficialmente a maior hidrelétrica do mundo, após mais de 50 mil horas de trabalho.

É OU NÃO É DE SE ADMIRAR?

Conheça toda essa grandeza!

Compre seu Transporte para a Itaipu

Escolha seu ingresso:

Ingresso ITAIPU - Circuito Especial (visita técnica)

Ingresso ITAIPU - Visita Panorâmica

Ingresso ITAIPU - Iluminação da Barragem

Ingresso ITAIPU - Porto Kattamaram

Preços super especiais, mais barato do que no próprio atrativo, além das condições imperdíveis de pagamento wink

Hospede-se no BEST WESTERN Tarobá Hotel ou ainda no Mirante Hotel e ganhe 2 passeios cortesias. Quer saber quais são? Entre em contato conosco pelos telefones abaixo ou pelo chat

Informações adicionais:

45 2102 7715

Base Hotel Tarobá - 45 9825 3897 (TIM)

Base Hotel Mirante - 45 9802 4701 (TIM)

WHATSAPP

Base Hotel Tarobá: +55 45 9152 6326

Base Hotel Mirante: +55 45 9113 1297

mail [email protected]

Facebook

Twitter

Google+

Instagram

Atendimento pelo Whatsapp